Quinta, 20 de Junho de 2024 05:27
(44) 99854-8707
17°

Tempo limpo

Goioerê, PR

Dólar com.

R$ 5,42

Euro

R$ 5,83

Peso Arg.

R$ 0,01

Política Nacional CERVEJARIA

Com investimento de R$ 1,6 bi, Maltaria Campos Gerais reforça produção do setor cervejeiro

Governador Carlos Massa Ratinho Junior participou da inauguração da planta em Ponta Grossa. Com nova maltaria, quatro em cada 10 cervejas feitas no Brasil terão malte produzido no Paraná na composição.

07/06/2024 08h00
Por: José Lopes Rodrigues Fonte: AEN
Com investimento de R$ 1,6 bi, Maltaria Campos Gerais reforça produção do setor cervejeiro

O governador Carlos Massa Ratinho Junior participou nesta quinta-feira (6), em Ponta Grossa, da inauguração da Maltaria Campos Gerais, localizada próximo ao limite com o município de Carambeí. A planta, fruto de um investimento de R$ 1,6 bilhão das cooperativas Agrária, Frísia, Castrolanda, Capal, Bom Jesus e Coopagrícola, terá capacidade para produzir 280 mil toneladas de malte por ano. 

O empreendimento, que teve apoio do programa de incentivos Paraná Competitivo, do Governo do Estado, deve gerar cerca de 130 empregos diretos e mais de 3 mil indiretos, além de ampliar a produção de cevada no Paraná, que já é o maior produtor nacional do grão.

"Este é mais um empreendimento que consolida o Paraná como o supermercado do mundo. Mais do que a produção no campo, que já somos destaque, estamos conseguindo cada vez mais industrializar nossos alimentos e colocá-los no mercado", afirmou o governador. "Esta maltaria vai suprir 15% da demanda do Brasil, gerando empregos não apenas na indústria, como também no campo". 

Com a inauguração da maltaria, quatro em cada dez cervejas feitas no País terão malte produzido no Paraná na sua composição. O Brasil ainda não é autossuficiente em malte, o que indica que boa parte do ingrediente que é utilizado pela indústria cervejeira ainda é importado. Com a nova fábrica, há tendência de diminuição de custos para o consumidor brasileiro.

"Hoje gastamos muito dinheiro importando malte, porque o mercado cervejeiro do Brasil é gigante e está em crescimento. Por isso é importante esse investimento das cooperativas, que fizeram esse grande empreendimento para absorver parte importante desse mercado", afirmou o secretário estadual da Fazenda, Norberto Ortigara.

Segundo Adam Stammer, presidente da Cooperativa Agrária, que capitaneia o empreendimento, a unidade deve responder sozinha por 15% do malte utilizado pela indústria cervejeira brasileira somente nesta primeira etapa. As cooperativas preveem ainda dobrar o tamanho do empreendimento nos próximos anos. 

"Se a demanda por cerveja subir conforme projetado, nós temos o compromisso de ampliar essa fábrica e dobrar a produção. Quando a segunda etapa se concretizar, teremos a maior maltaria do mundo localizada em uma única área", explicou Stammer. "Juntas, as seis cooperativas têm 13 mil associados. A ideia é trabalhar com esses produtores para fomentar a produção de cevada no Paraná, dando um salto também em pesquisa e desenvolvimento de novas cultivares".

Ponta Grossa já conta com plantas de duas gigantes do ramo (Ambev e Heineken), que também ampliaram recentemente as suas unidades. As duas empresas serão as principais clientes da indústria. Além disso, a Agrária também está construindo uma nova maltaria em Guarapuava para a produção de maltes especiais, num investimento de R$ 500 milhões junto com a empresa alemã Ireks. 

CEVADA  De acordo com os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre a produção agropecuária nacional, o Paraná é responsável por 68% da produção brasileira de cevada, matéria-prima usada para produção do malte. Das 521 mil toneladas colhidas em todo o Brasil, 360 mil toneladas foram produzidas no Paraná. 

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Deral), aponta que 27% da área destinada ao grão, que deve ficar em 75,2 mil hectares neste ano, já foi plantada. A previsão é de que a colheita de cevada supere em 20% as 278 mil toneladas produzidas na safra passada. 

Para suprir a necessidade industrial, a intenção é ampliar o plantio da cevada entre os produtores rurais cooperados, abrangendo áreas que vão do sul de São Paulo ao norte de Santa Catarina. Isso também vai ajudar a alavancar o uso de áreas para cultivo das culturas de inverno, que é o caso da cevada. 

"Mesmo liderando esse cultivo, a cevada é uma cultura que precisamos dominar ainda mais, por isso vemos com bons olhos a possibilidade de novos agricultores entrarem no plantio, principalmente os pequenos", salientou o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Natalino Avance de Souza. "Somos muito bons produtores de culturas de verão, mas gostaríamos de ter menos solo sobrando durante o inverno. A cevada vem exatamente com esse propósito".

VIADUTO – Durante a solenidade, o Instituto Água e Terra (IAT) entregou a Licença de Instalação do empreendimento, que permite o início da produção na maltaria. Também foi assinado um memorando de entendimento com as cooperativas para a construção de um viaduto na PR-151, que dá acesso à fábrica e também a outras indústrias da região, como a montadora de caminhões DAF. 

Com investimento previsto de R$ 37 milhões, a obra será executada pela própria maltaria como contrapartida do programa Paraná Competitivo do Governo. "O projeto foi doado ao Estado e dá acesso logístico ao empreendimento e às diversas empresas do distrito industrial Norte de Ponta Grossa, dando segurança viária necessária para o desenvolvimento industrial de uma importante região industrial", ressaltou o secretário estadual da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

PRESENÇAS – Participaram da solenidade o vice-governador Darci Piana; os secretários estaduais da Indústria, Comércio e Serviços, Ricardo Barros; e da Educação, Roni Miranda; os presidentes da Invest Paraná, Eduardo Bekin; da Sanepar, Wilson Bley; da Agepar, Reinhold Stephanes; e das cooperativas Frísia, Renato Greidanus; Castrolanda, Willem Berend Bouwman; Bom Jesus, Luiz Roberto Baggio; Capal, Erik Bosch; e Coopagrícola, João Marcos Bach; os deputados federais Pedro Lupion e Stephanes Junior; os deputados estaduais Marcelo Rangel, Alexandre Curi, Artagão Júnior e Moacyr Fadel; e as prefeitas de Ponta Grossa, Elizabeth Schmidt; e de Carambeí, Elisangela Nunes.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.